NOTÍCIAS

Loading...

sexta-feira, 29 de maio de 2015

UFAL - Apesar da insatisfação, José Carlos é o candidato a vice-reitor da Rachel Rocha

A chapa reitoriana foi registrada na última quinta-feira (28) em clima de euforia de alguns servidores comissionados, que numa tentativa de chamar atenção dos demais colegas, promoveram uma caminhada e fizeram um apitaço nas dependências da reitoria, descumprindo a Norma Eleitoral, que proíbe o uso deste recurso durante a campanha dos candidatos a reitor.
O que ficou claro no momento que parecia festivo, foi a ausência de muitos pró-reitores e até mesmo de gestores de órgãos importantes da UFAL, os poucos que compareceram são velhos conhecidos que estão há mais de uma década em funções gratificadas, eles não poderiam ficar de fora, pois não desejam mudanças, preferem deixar tudo como está, ou seja, garantir os CDs e FGs de cada dia.
Na foto oficial com todos os apoiadores, podemos destacar algumas curiosidades como a presença do Chefe de Gabinete, Elias Barbosa, todo empolgado, porém minutos antes do registro fotográfico, ele havia pedido a retirada do nome do José Carlos, como candidato a vice-reitor, criando uma situação vexatória, não só para ele, mas para os colegas que o acompanhou.
Outra imagem interessante, foi da Chefe de Divisão da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), a enfermeira Lindinalva Freitas, que fez um V como uma da mãos, gesto que é símbolo dos radicais para indicar que são eleitores da Valéria Correia.
Destacamos também a presença tímida do Superintendente da EBSERH, Paulo Teixeira, por trás da Freitas, parecia mais que ele queria se esconder, pois apesar do apoio a Rachel Rocha, provavelmente, não poderá votar nesta eleição, assim como toda a sua equipe que foi cedida a estatal.
No Geral, a foto tenta mostrar um povo alegre e motivado, mas na realidade os problemas são muitos e tendem aumentar no decorrer da campanha.

Fonte: Ufalsindical 

UFAL - Reitorianos se rebelam e pedem a retirada da candidatura do José Carlos a vice-reitor

José Carlos Almeida (IM/UFAL)
Na última quinta-feira (28), penúltimo dia de inscrição de chapas de candidatos que pretendem concorrer à eleição de escolha do novo reitor da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), ocorreu um fato que reflete o descontentamento na base reitoriana, que já entra para história como o início da rebelião na situação.
Segundo informações de bastidores, o Chefe de Gabinete do reitor - Elias Barbosa, o Chefe de Divisão da Biblioteca - Evilázio Freire, o Gerente de Projetos, Obras e Serviços da SINFRA - Amaury Teixeira, o Coordenador de Planejamento da PROGINST - Joubert Lessa, o Asessor Técnico da PROGINST - Jarman Aderico, o Diretor do DAP - Frederich Duque, como também o ex-Coordenador Geral do SINTUFAL - Samuel Correia e outros, se reuniram previamente com o objetivo de formular uma pauta para apresentar a vice-reitora, antes do registro oficial da sua chapa.
Os citados gestores queriam que a Rachel, caso seja eleita, reveja o texto da resolução aprovada pelo Conselho, que estabelece que apenas professores podem assumir o cargo de pró-reitor. Segundo os servidores, a medida como está é corporativista e representa um retrocesso na UFAL, pois privilegia membros do menor seguimento RJU, marginalizando os técnico-administrativos em Educação, que são maioria.
Na oportunidade, também foi abordado um tema que gerou polêmica. Alguns reitorianos insatisfeitos, instigados pelo chefe do GR, queriam incluir como ponto de pauta da reunião com a Rachel, a retirada do nome do José Carlos, como candidato a vice-reitor na chapa da situação, mas o tema não teve consenso e ficou definido que ficaria fora.
No encontro com a Rachel, os insatisfeitos, contrariando o que ficou acertado na reunião prévia, resolveram incluir em pauta o pedido da retirada da candidatura do matemático, como vice da chapa reitoriana, fato este que deixou alguns técnicos de saia justa.
Diante da situação vexatória, a Rocha foi categórica em afirmar que o José Carlos foi um nome escolhido dentre 5 apresentados e que a decisão não foi dela, mas de 15 diretores de unidades acadêmicas que escolheram o seu candidato a vice-reitor, ou seja, nada e ninguém tem o direito de intervir nessa decisão.
Os técnicos que foram contrários a pauta sobre o vice, se sentiram traídos pelos insatisfeitos e o mais interessante, que alguns desses insatisfeitos não votam e nunca votaram na situação, é o caso do Evilázio, que apesar de ter sempre se beneficiado da gestão e se fazer de reitoriano, nunca deu seu voto à situação, ele sempre foi militante xiita. 
Logo em seguida a reunião, o José Carlos chegou e os seus algozes disfarçaram, alguns ficaram para a festa, como o Elias, outros se ausentaram, constrangidos pela enquadrada da Rocha.
Quanto ao Elias Barbosa, sua situação se complicou, caso a Rachel seja eleita, ninguém tem dúvidas que ele retornará ao seu setor de origem e se limitará ao exercício do cargo de bibliotecário. Os demais insatisfeitos, só o futuro dirá.
Essa ocorrência foi apenas um pequeno foco de rebelião que se formou minutos antes da inscrição da chapa Rachel/José, mas existe uma rebelião silenciosa no seio da comunidade universitária, principalmente entre os reitorianos clamando por mudanças, que poderá estourar nas urnas.

Fonte: Ufalsindical

quinta-feira, 28 de maio de 2015

HUPAA - Cai mais uma chefia do setor de Radiologia e técnicos poderão responder processo administrativo

Desde quando o blog iniciou as publicações sobre os desmandos no Hospital Universitário Prof. Alberto Antunes (HUPAA), mais precisamente no setor de Radiologia, muitas mudanças vêm acontecendo. Nas primeiras postagens, logo veio à primeira baixa no setor, a gerente administrativa Sônia Alves, conhecida como braço direito do superintendente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), Paulo Teixeira, pediu demissão depois de anos de serviços prestandos a Fundação Universitária de Desenvolvimento de Extensão e Pesquisa (FUNDEPES). A saída da Alves deixou os fundacionais em estado de choque, pois ninguém imaginava que a gerente um dia deixasse o cargo e muito menos o hospital.  
O setor de Radiologia do HUPAA foi denunciado no Ministério Público Federal (MPF/AL) por uma comissão de profissionais da área radiológica, que acusou o serviço de manter na equipe técnica, trabalhadores precarizados da FUNDEPES, impedindo a convocação de candidatos aprovados no último concurso da EBSERH. Segundo informações de bastidores, o suposto esquema era operado pelo coordenador dos técnicos, Bergson Seixas e a Sônia Alves.
Há duas semanas atrás a Radiologia teve outra baixa, a médica Daniella Queiroga, que chefiava o setor, entregou o cargo. Comenta-se entre os servidores que a Queiroga saiu por causa da pressão que vinha recebendo por causa das várias notificações do MPF/AL pedindo informações sobre o número de funcionários RJU e da FUNDEPES, como também, o cronograma de demissão do fundacionais, e não é só isso, a pressão não é so externa, a Corregedoria da UFAL investiga possíveis irregularidades, como: Descumprimento de jornada de trabalho, acúmulo de cargo público com carga horária acima de 60 horas, exercício de função gratificada sem a devida nomeação e outras questões, inclusive a própria médica poderá sofrer um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) por envolvimento.
As investigações seguem em sigilo e o prazo para conclusão dos trabalhos da comissão responsável pelo caso, já se esgotou, podendo a qualquer momento ser publicado a portaria instaurando o processo e os envolvidos notificados.
Pelas teor das denúncias apresentadas ao órgão corregedor pelo ex-dirigente sindical, Moyses Ferreira, se confirmadas, todos os servidores da Radiologia terão que devolver aos cofres da União o dinheiro recebido indevidamente, a devolução se refere às horas não trabalhadas, porém pagas pelo cofres público, podendo até perder o cargo público, se ficar comprovada a má fé do indivíduo.
O blog está acompanhando o desdobramento dos processos e assim que tiver informações disponibilizará aqui com exclusividade.

Fonte: Ufalsindical

quarta-feira, 27 de maio de 2015

UFAL - Radicais apelam para a Comissão Eleitoral garantir a inscrição do vice da Valéria Correia

Depois de terem cometido lambança com a escolha do candidato a vice-reitor, sem observar as normas estabelecidas pela Comissão Central Eleitoral (CCE-2015) que coordenará as eleições para escolha do novo reitor da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), os radicais entraram com uma representação junto a Comissão, contestando a exigência do candidato ter cumprido o estágio probatório, segundo eles, a legislação que trata da escolha de dirigentes da universidades federais não apresenta tal exigência.
Segundo informações de bastidores, os comissários que são representantes das entidades dos sindicatos dos seguimentos das categorias dos docentes, técnicos e estudantes, decidiram incluir o requisito do estagio probatório, por entenderem que o candidato que não tem tempo suficiente na IFES, faça parte de uma lista tríplice, mas a decisão não teve intensão de prejudicar nenhum dos grupos, até porque a Norma Eleitoral foi publicada muito antes da polêmica vir a tona, sem fala que o critério foi unicamente política e não técnico.
A CCE-2015 se reunirá para decidir se acata ou não o pedido dos radicais. Acredita-se que os comissários não criarão dificuldades para retirar da Norma Eleitoral a exigência que compromete a composição da chapa valeriana, até porque eles não pretendem tumultuar o processo eleitoral, pelo contrário, eles sabem da responsabilidade que pesa sobre suas mãos.
Os radicais decidiram contestar porque não tem ninguém entre eles, disposto a encarar o pleito, pois não acreditam na vitória da Valéria Correia, que vem sofrendo desgaste ao longo desses últimos quatro anos, sem falar das várias derrotas no Conselho Universitário (CONSUNI/UFAL), a principal delas, e a que mais abalou a credibilidade do grupo, foi à votação para a aprovação do contrato de gestão da UFAL com a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), essa derrota não foi digerida até hoje, inclusive a anulação desse contrato com a estatal, é uma das poucas propostas da Correia, que tem gerado polêmica na comunidade universitária, principalmente entre servidores ebserhvianos, que já organizaram uma frente para protestar contra a candidata dos radicais.
INSCRIÇÕES DE CHAPAS
As inscrições de chapas estão abertas desde a última terça-feira (26) e vai até a próxima sexta-feira (29), o sorteio para o número de chapas acontecerá no último dia de inscrição às 15 horas na Secretaria dos Conselhos Superiores que fica no segundo andar do prédio da reitoria.

Fonte: Ufalsindical

terça-feira, 26 de maio de 2015

UFAL - Diretor descartado como candidato a vice da Rachel, apesar de está no cargo desde 2014, oficialmente não é gestor do CECA

O anúncio do ex-presidente do Núcleo Executivo de Processos Seletivos (NEPS/UFAL), antiga Comissão Permanente de Vestibular (COPEVE/UFAL), José Carlos de Almeida, foi um duro golpe para os jovens gestores, Anderson de Barros e Gaus Silvestre, que acreditavam que um dos dois seria agraciado pela Rachel Rocha e escolhidos para compor a chapa da situação.
Para alguns reitorianos a escolha foi estratégica, pois o diretor do Instituto de Matemática (IM/UFAL) era um dos colaboradores da campanha da terceira via e sabe como ninguém, quais as táticas que serão utilizadas pelos professores independentes.
Não tem como negar que a escolha da Rocha surpreendeu a todos, até mesmo os mais apaixonados aliados do Eurico Lobo, que esperavam que o diretor do Instituto de Geografia, Desenvolvimento e Meio Ambiente (IGDEMA/UFAL), José Vicente Ferreira Neto (Ferreirinha), pois o mesmo estava presente em todas as reuniões e visitas as Unidade da UFAL, tanto na capital quanto no interior, se tornando um dos cotados a vaga na chapa.
Segundo informações de bastidores, o diretor do Centro de Ciências Agrárias (CECA/UFAL) foi descartado porque teria musculatura eleitoral para conseguir superar as candidaturas de oposição no interior, principalmente a da vice-retora do Márcio Barboza, que tem tido uma adesão em torno de 70% no interior, com estes dados em mãos, os reitorianos sentiram que teriam que investir no QG A. C. Simões, maior colégio eleitoral da UFAL, descartando também o jovem gestor.
Há também quem diga que o Gaus Silvestre, estava descontente pela falta de prestígio dentro da base do Lobo, pois há vários dias havia descoberto que teria sido dispensado do cargo de diretor do CECA/UFAL, mesmo tendo as atribuições do cargo e assumindo responsabilidade a frente da Unidade.
Na verdade o que houve foi mais uma lambança na edição de portaria, erro que tem sido uma constância nessa gestão que se diz competente e quer continuar a frente da UFAL.
O Gaus Silvestre foi vice-diretor e se tornou diretor depois da eleição realizada em 2013, onde foi eleito em chapa única, a sua posse e de outros diretores foi no auditório Nabuco Lopes – reitoria, no dia 31 de março de 2014.
Três dias antes da cerimônia de posse do Gaus, o reitor Eurico Lobo assinou a Portaria nº 374/2014, onde nomeou o novo diretor da Unidade da UFAL no Rio Largo, mas na Portaria nº 375/2014 o magnífico desfez o seu ato e nomeou a vice-diretora, Rosa Cavalcante Lira como diretora, dispensando o diretor eleito e criando um conflito institucional que poderá colocar a gestão reitoriana na mira do Tribunal de Contas da União (TCU).
As duas citadas portarias foram publicadas no Diário Oficial da União (DOU) de 02.04.2014, a primeira encontra-se na secção 2, página 38 e a segunda na página 39 da mesma secção.
Diante dessa aberração administrativa, onde torna todos os atos do Gaus Silvestre, nulos, o Eurico Lobo terá de corrigir o grave erro cometido, erro esse que já dura 14 meses e só agora está sendo revelado com exclusividade aqui pelo “LIXO”, conceito dado pelos reitorianos e radicais.
É impressionante a sequência de erros que vem sendo cometidos nas publicações oficiais da UFAL, isso envergonha toda a comunidade e coloca em cheque a credibilidade de toda a gestão. Mas a mudança tá chegando!

Fonte: Ufalsindical

segunda-feira, 25 de maio de 2015

UFAL - Nem Anderson e nem Gaus, o vice da Rachel é José Carlos, diretor do Instituto de Matemática

Foi anunciado agora a pouco pela coordenação de campanha reitoriana, o nome do candidato a vice-reitor da Rachel Rocha, será o diretor do Instituto de Matemática (IM/UFAL), José Carlos Almeida.
O Almeida Possui graduação em Licenciatura Em Matemática pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL), mestrado em Matemática pela Universidade Federal do Ceará (UFCE) e doutorado em Matemática pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Atualmente é professor adjunto 1 da UFAL, atua principalmente nos temas: Coomogeneidade, Hipersuperfícies, Imersões Isométricas.
O anuncio do nome do diretor do pegou todos de surpresa, pois até bem pouco tempo, o nobre professor estava simpático a candidatura da terceira via, sendo considerado um dos apoiadores da campanha independente.
Quanto aos outros nomes que estavam sendo contados, como o do Gaus Silvestre e o Anderson Barros, estes trabalharão para eleger a chapa da situação.
Entre as lideranças dos demais grupos, é provável que haverá um novo posicionamento estratégicos dos grupos que disputarão a eleição, haja vista que o nome do José Carlos, cria-se um novo cenário e muda toda a conjuntura política.
Esteve presente nesta reunião, cerca de 13 direções de unidades sendo representadas, num total de 24 em toda a UFAL.  Alguns diretores não compareceram, mas enviaram seus substitutos.
Ficaram de fora do encontro festivo, os pró-reitores, não se sabe os motivos, mas especula-se que os titulares dos cargos do primeiro escalão não têm voto, pois são indicações para estarem nos cargos, diferentemente dos gestores que foram eleitos em 2013, num pleito que não teve oposição.
Vamos ver as cenas dos próximos capítulos.

Fonte: Ufalsindical

UFAL - Gaus Silvestre será o vice da Rachel Rocha e o racha da base reitoriana será inevitável

A candidata a reitora e atual vice-reitora, Rachel Rocha, está praticamente decidida a marchar com o diretor do Centro de Ciências Agrárias (CECE/UFAL), o jovem desconhecido, Gaus Silvestre de Andrade LimaSegundo informações de bastidores, ele foi o escolhido depois do anúncio que a diretora do Campus Arapiraca, Eliane Cavalcanti, foi anunciada como candidata a vice-reitora da terceira via ao lado do Márcio Barboza.
Os reitorianos não estão vendo com bons olhos a indicação do Gaus, pois o processo de escolha não foi discutida com toda equipe, apenas com alguns correligionários engajados na campanha, mas eles representam a minoria.
Há quem diga que se ficar definido o nome do Silvestre, haverá mais uma debandada da base do reitor, principalmente dos aliados mais antigos, pois estes não têm compromisso com Rachel e o caminho natural a ser seguido será o apoio à candidatura da terceira via.
Na reitoria o silêncio é total, são poucos os servidores que querem declarar seu voto, pois acreditam que a chapa do Barboza está mais preparada para vencer o pleito e ficará mais forte ainda se o desconhecido do CECA/UFAL for o escolhido para ser o candidato a vice-reitor da Rocha, pois questionam se ele tem um coeficiente eleitoral capaz de garantir um resultado favorável a candidata do reitor
A Norma Eleitoral está sendo motivo de preocupação do pessoal da chapa da situação, pois afirmam que a Comissão Eleitoral desconhece as regras gerais da consulta a comunidade e que o atual modelo proposto fere a legislação brasileira, o Estatuto e o Regimento da UFAL, esse mesmo pensamento é compartilhado pelos radicais.
Os reitorianos poderão contestar a Comissão, pois acreditam que ela está equivocada quando define que só terão direito a votar os servidores regidos pela Lei 8.112/90, deixando de fora os professores associados, regidos pela Lei 8.745/93, os servidores contratados pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), como também os trabalhadores precarizados contratados pela Fundação Universitária de Desenvolvimento de Extensão e Pesquisa (FUNDEPES).
Essa eleição promete ser a mais movimentada de todos os tempos, apesar da sonolenta campanha dos candidatos que ainda não ganhou visibilidade.

Fonte: Ufalsindical

domingo, 24 de maio de 2015

UFAL - Campanha valeriana sem rumo e sem vice

A informação publicada aqui sobre a impossibilidade de inscrição da candidatura do valeriano, José Vieira da Cruz, como vice-reitor, caiu como um balde de água gelada na coordenação de campanha da Valéria Correia, principalmente porque a lambança praticada por eles foi revelada na página eletrônica que eles desqualificam com o objetivo de atingir a candidatura da terceira via, alegando que as matérias do blog estão sendo editadas por colaboradores ligados as oligarquias que dominam a política de Alagoas.
O discurso xiita, além de mentiroso, subestima a capacidade intelectual do editor do blog, que não tem compromisso com nenhum dos grupos que disputam a eleição. Os artigos publicados são de inteira responsabilidade do seu administrador que não tem influência e nem interferência de terceiros, pois retrata, única e exclusivamente, a conjuntura política em toda a universidade.
Os radicais também estão tentando emplacar o discurso de que o blogueiro está blindando a candidata do QG do Campus A. C. Simões, a tática não passa de factoide, pois quem acompanha o postagens do blog, sabe muito bem que esse argumento é puro desespero, pois como é que eles fazem essa afirmação, se os próprios dizem que não perdem tempo lendo conteúdo que não passa de lixo?
Na verdade os “camaradas” estão perdidos feito cegos no meio de um tiroteio, não sabem o que fazer para se proteger, pois eles sempre se utilizaram do ataque aos adversários e nunca imaginaram que poderiam ser alvos, mas agora estão sem um plano de defesa e começam atirar pra tudo quanto é lado, correndo o risco de serem alvejados pelo fogo amigo.
É notório que os radicais não estavam preparados para verem suas mazelas serem expostas de forma tão desacerbada e agora terão de rever sua estratégia para a campanha, mas antes terão de encontrar outro nome para compor com a Correia, pois as inscrição de chapas se inicia na próxima terça (26) e termina na sexta-feira (29) às 12h00min.
A pergunta que não quer calar, quem dos doutores vai para o sacrifício de ser vice da Valéria Correia?
Fonte: Ufalsindical

sexta-feira, 22 de maio de 2015

UFAL - Lambança dos radicais deixa a Valéria sem o candidato a vice

Com a eleição marcada para o dia 1º de julho, os candidatos a reitor da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) estão intensificando as visitas nas unidades em busca de apoio do eleitorado dos três seguimentos.
A maior dificuldade dos grupos políticos foi montar as suas chapas com nomes conhecidos da comunidade. O grupo que mais se deu bem nessa construção foi a terceira via, eles conseguiram formar uma composição que está dando o que falar. O Márcio Barboza e a Eliane Cavalcanti, candidato a reitor e vice-reitora respectivamente, são líderes em suas bases e estão sendo considerados como favoritos na disputa.
Os articuladores valerianos, depois de tanto peregrinar pelas unidades da universidade em busca de nomes para compor com a Valéria Correia, foram encontrar no Campus SertãoJosé Vieira da Cruz, é o nome do candidato a vice-reitor dos radicais, é doutor em História Social e Coordenador do Curso de Licenciatura de História da Unidade da UFAL em Demiro Gouveia, designado pela Portaria 2.104/2013.
O Prof. Vieira, como é conhecido, apesar de ser à aposta dos xiitas, não poderá ser inscrito como candidato, pois o mesmo está impedido pela Norma Eleitoral, mais precisamente no Artigo 8º, que diz:
Art. 8º. - São considerados aptos a participar das chapas os docentes integrantes da carreira do magistério superior que detenham o cargo de Professor Associado, Titular ou portadores do título de Doutorado, desde que cumprido o estágio probatório.
Esse vexame deveria ter sido evitado se os revolucionários tivessem o cuidado de terem checado a ficha funcional do ilustre professor sertanejo, lá eles iam dá de cara com a Portaria 216/2013, da Pró-reitoria de Gestão de Pessoas e do Trabalho (PROGEP), datada de 18 de fevereiro 2013, dia em que o Vieira foi lotado, ou seja, ele ainda está em estágio probatório.
Para um grupo que esbraveja nos quatro cantos da UFAL, afirmando ser o mais preparado, o mais competente, o mais inteligente e politizado e que considera o Blog Ufalsindical espaço de fofoca e suas postagens, fúteis e medíocres, não poderia cometer um erro primário como esse, até porque o momento exige dos atores envolvidos uma postura assertiva, pois se trata da eleição para escolha do novo reitor da universidade.
O LIXO, como é chamado o  blog pelos radicais xiitas, solicita aos ilustres doutores professores, representantes da campanha da Valéria Correia, que continuem a peregrinação em busca de outro vice, pois depois dessa lambança, acho difícil mais alguém querer passar vergonha.

Fonte: Ufalsindical

quarta-feira, 20 de maio de 2015

UFAL - Eliane Cavalcanti é a vice do Márcio Barboza

A terceira via, grupo político formado por professores independentes da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), que tem como seu candidato a reitor o Márcio Barboza, apresentou nesta quarta-feira (20), a Eliane Cavalcanti, diretora do Campus UFAL Arapiraca, como a candidata a vice-reitora.
A diretora arapiraquense possui graduação em Bacharelado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), mestrado em Biologia Animal pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e doutorado em Oceanografia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).
Em 2009 foi eleita diretora acadêmica, dois anos depois concorreu ao cargo de vice-reitora, numa chapa encabeçada pelo diretor do Centro de Ciências Agrárias (CECA/UFAL), Paulo Vanderlei, tendo ficado em terceiro lugar no pleito. No ano de 2013 foi eleita diretora geral do Campus UFAL Arapiraca.
O histórico de luta da Cavalcanti mostra que ela acreditou na interiorização da UFAL, apesar das dificuldades enfrentadas, sempre defendeu o desenvolvimento da região através de um ensino superior de qualidade, mas teve como seu principal adversário a politica de atraso implantada na era do Lobo.
Em 2012, a Eliane foi às ruas com os estudantes, técnicos e professores, protestar contra a falta de segurança no Campus, pois as diversas fugas de presos do presídio que funcionava ao lado da unidade, deixava em pânico toda comunidade universitária, essa empreitada foi muito criticada pelos radicais que preferiram ficar de fora da luta, que segundo eles, a desativação do complexo prisional, era algo impossível de acontecer. Porém, em 2013 o impossível aconteceu, sob os olhares perplexos dos revolucionários xiitas, o presídio não só foi desativado, como seu prédio foi doado a UFAL.
A luta por melhorias nas várias unidades da UFAL espalhadas pelo interior, não parou, ela tem sido uma constância, mas agora se abre um caminho para que as mudanças ocorram de fato e de verdade. O nome da Eliane Cavalcante como vice, representa a esperança de mudança, é a voz do povo do interior sendo representada por uma mulher guerreira, que sempre ofereceu o melhor de si para que os outros fossem contemplados.
A hora da mudança chegou! A UFAL expandiu, e o interior cresceu!” (Eliane Cavalcanti).
Fonte: Ufalsindical